Candidato a vice-prefeito João Giordani é indiciado por caluniar Bruno Zucareli

0
314
João Giordani Neto
João Giordani Neto (Foto: Redes Sociais)

A Polícia Civil de Minas Gerais indiciou o candidato a vice-prefeito, ao lado de Henrique Wolf, João Giordani Neto, por ter caluniado seu adversário durante a campanha nas eleições 2020, o candidato a prefeito Bruno Zucareli.

No mês de setembro, o Ministério Público abriu investigação contra Bruno Zucareli, com o objetivo de verificar se o candidato a prefeito teria cometido irregularidades na época em que foi diretor do DMAAE, como foi denunciado por João Giordani e seus aliados.

Após análise de diversos documentos comprobatórios, o Ministério Público concluiu que Bruno Zucareli não cometeu nenhum crime de improbidade administrativo enquanto esteve à frente do DMAAE.

As denuncias, que também levaram a abertura de uma CPI na Câmara dos Vereadores, eram de possíveis irregularidades, cometidas por Bruno Zucareli, com despesas em manutenção e reparo de veículos leves e pesados da frota do DMAAE, além disso, também foi apontado um possível desvio de dinheiro de licitações ligados à aquisições de tintas e materiais de construção.

O Ministério Público deu parecer favorável a Bruno Zucareli, inocentando o candidato a prefeito de Ouro Fino das acusações. Além disso, a Promotoria de Justiça determinou a abertura de inquérito policial contra os denunciantes: João Giordani Neto, Donis Almeida do Couto e João Batista Messias.

Após investigação, o Delegado de Policia, Igor Curvello Grimaldi, indiciou João Giordani Neto e João Batista Messias no Art. 324 do Código Eleitoral, que prevê o seguinte:

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é cats.jpg

Próximos passos da investigação

O Inquérito Policial foi entregue relatado ao Ministério Público. Agora, o documento passará por análise do Promotor de Justiça, que poderá ou não denunciar João Giordani à Justiça Eleitoral.

Caso a denuncia prossiga, João Giordani Neto poderá ter sua candidatura impugnada por cometimento de crime eleitoral. O candidato, assim como João Batista Messias, também poderá ser preso, com pena de seis meses a dois anos.

O Observatório de Ouro Fino entrou em contato com o advogado de campanha de João Giordani, às 11h48. No entanto, até a publicação desta matéria, às 18h43, não tivemos nenhum retorno. Em caso de resposta, atualizaremos essa nota.